Personagens LGBT das séries da DC

10 Personagens LGBT das séries da DC Comics

por Fernando Diego Sioli

O mundo dos super-heróis vem mudando e, ainda bem, melhorando quando se fala de inclusão. Hoje já vemos atores negros com papéis importantes e mulheres mostrando que podem muito. Mas nas séries de TV da DC Comics, principalmente no chamado Arrowverse do canal The CW, a representatividade está em outro nível. Principalmente, pela diversidade sexual dos personagens.

Confira a lista com 10 Personagens LGBT das séries da DC Comics na TV Americana:

1. Sara Lance de Arrow e Legends Of Tomorrow

Sara Lance (Canário Branco)
Sara Lance (Canário Branco) (foto: Divulgação)

O Arrowverse começou com a série Arrow em 2012 e já foi mostrando a Canário. Sara Lance foi dada como morta no início da trama e depois retornou, como Canário Branco liderando a equipe de Legends Of Tomorrow. Poderosa, a loira deixou sua marca nas séries da DC, ainda mais quando fala abertamente sobre sua bissexualidade. Rendendo até cenas engraçadas, como quando rola uma paquera à Supergirl.

2. Alex Danvers de Supergirl

Alex Danvers e Maggie Swayer
Alex Danvers e Maggie Swayer (foto: Divulgação)

Alex Danvers é irmã da Supergil e praticamente uma das protagonistas da trama, junto com a irmã alienígena. O mais representativo da personagem é que ela saiu do armário durante os episódios, quando se sente atraída por sua amiga Maggie Swayer. O enredo rendeu cenas dignas da vida real e mostrou como é difícil se descobrir e ainda ter que falar de sua sexualidade para a família. O caso ainda rendeu um dos casais mais fofos das DC series.

3. Curtis Holt de Arrow

Curtis Holt (Mr. Terrific)
Curtis Holt (Mr. Terrific) (foto: Divulgação)

Interpretado pelo ator Echo Kellum, o Curtis apareceu pela primeira vez em Arrow na quarta temporada e virou personagem fixo na quinta temporada, se tornando o herói Mr. Terrific. Desde que apareceu, o cientista tecnológico foi introduzido de forma natural, deixando claro que era gay e casado. Muitas vezes, Curtis é o alívio cômico das cenas, sendo inteligente e sarcástico.

4. Collin de Smallville

Collin (Smallville)
Collin (Smallville) (foto: Divulgação)

Sendo o primeiro personagem gay em uma série de Super-herói, Collin foi interpretado por Jason Poulsen nas temporadas 7 e 8 de Smallville. Collin é amigo de Jimmy Olsen no Daily Planet, e fala abertamente sobre levar seu namorado a um show. O personagem não foi muito explorado, mas isso não diminui sua importância na representatividade, ainda em 2007.

5. Barbara Kean de Gotham

Barbara Kean
Barbara Kean (foto: Divulgação)

Muito aconteceu com a louca Barbara de Gotham. Com ares de Arlequina, a personagem foi de uma namorada frustada do protagonista Jim Gordon; para uma vilã poderosa, dona do bar “As Sereias” com sua amante e parceira Tabitha Galavan. A série mostrou Barbara como bissexual, sendo a primeira LGBTQ da série.

Além de Barbara, em Gotham, a paixão do vilão Pinguim, pelo sedutor Charada foi algo surpreendente e interessante. Os dois criaram uma relação de cumplicidade desde a 2ª temporada e durante a 3ª temporada tivemos a certeza que algum sentimento começou a aflorar. Sim! Os vilões também amam!

6. Nyssa Al Ghul de Arrow

Nyssa al Ghul
Nyssa al Ghul (foto: Divulgação)

Uma ninja da Liga dos Assassinos, Nyssa Al Ghul é filha de Ra’s Al Ghul. Foi obrigada a se casar com Oliver Queen por seu pai, mas seu grande amor é Sara Lance. Logo no início da história de Arrow, Nyssa encontrou a Canário perdida na ilha de Yan Lu e cuidou dela, e então se apaixonaram. E, sim, Nyssa é incrível!

Falando em Arrow, é interessante pontuar também que existem dois atores gays no elenco de Arrow que representam muito em nossa comunidade: Colton Haynes (o Arsenal) e John Barrowman (o vilão Malcolm Merlyn).

7. Anissa de Black Lightning

Anissa Pierce (Thunder)
Anissa Pierce (Thunder) (foto: Divulgação)

Além de ser uma série com o aspecto voltado para a comunidade negra, Raio Negro traz outras questões de minorias como albinismo, deficiência e homossexualidade. Anissa é a filha do Black Lightning, lésbica assumida e é uma meta-humana com super-força, que vira Tormenta (Thunder) na primeira temporada da série.

Apesar dos problemas da sociedade de Freeland, Anissa vem de um lar estruturado e é muito bem amada por seu pai herói e sua mãe Lynn. Mas, claro, que seria incrível ver uma versão super-herói de Chiron de “Moonlight”. #ficaadicawarner

8. Constantine de Legends Of Tomorrow

John Constantine
John Constantine (foto: Divulgação)

John Constantine já apareceu na sua série própria em 2014, mas após o cancelamento entrou no elenco de Legends Of Tomorrow, após a quarta temporada de 2018. Apesar de flertar com homens e mulheres, foi somente nessa temporada que o personagem realmente assumiu ser bissexual, assim como nos quadrinhos. Incluindo uma cena romântica com Desmond Laveau, filho de uma rainha bruxa de Voodo, chamada Marie Laveau. Des ainda é um lindo homem negro, pra deixar a representatividade da série ainda mais importante.

9. Joe West de The Flash

Iris West, Martin Stein e Joe West (The Flash)
Iris West, Martin Stein e Joe West (The Flash) (foto: Divulgação)

Na verdade, esse não é um personagem da história real, mas uma das versão que aparecem em The Flash. E justamente no episódio musical da série. Mas que traz um momento fofo e engraçado, com Joe West, pai de Iris West e tutor de Barry Allen.

Na cena, Iris apresenta seus dois pais gangsters, que incluem Joe e Martin Stein, cientista de Legends Of Tomorrow. Onde supostamente criaram a personagem juntos. No momento, Barry se surpreende e os três perguntam: “Algum problema com isso?”. Veja o vídeo com a cena em inglês:

10. Kate Kane, a Batwoman

Kate Kane (Batwoman)
Kate Kane (Batwoman) (foto: Divulgação)

Sim, isso mesmo! A DC Comics tem uma protagonista lésbica no papel principal de uma de suas séries. Kate Kane assume o manto de Cavaleira da Noite de Gotham depois de Batman desaparecer. Na série, a BatWoman é interpretada pela atriz Ruby Rose que também é lésbica e faz questão de falar sobre as semelhanças com a personagem. Além de lésbica, Kane é judia e isso mostra como é importante trazer essas diferenças para esse tipo de produção.

Quem lê quadrinhos sabe como os roteiristas tentam passar um retrato do mundo real nas páginas. Nada mais real do que a luta das minorias, sejam elas das Mulheres, dos Negros, dos Asiáticos, dos Latinos e dos LGBTQ.

E essas lutam estão presentes tanto na Marvel como na DC e como em vários outros quadrinhos de super-heróis. Então, se você odeia esse tipo de gente nas séries e filmes de super-heróis, talvez você não esteja lidando com o fato que nós existimos e não seremos mais esquecidos.

Tiro certo, rumo ao sucesso, à atualidade e à uma identidade de um público esquecido. Parabéns, Dona DC Comics! (Mas queremos Transsexuais nas tramas, também!)

E já que estamos falando da DC Comics, sugerimos um episódio do podcast "O Orgulho Contra-Ataca" muito completo sobre um dos filmes de 2019: Coringa! Confira as questões de representatividade e no filme do Todd Philips:

Listen to "#19 - Coringa é um filme perigoso?" on Spreaker.

Recomendados